sábado, 27 de junho de 2009

something always brings me back to you

Qualquer sinal da tua existência, seja ele de que tipo for, ainda faz o meu estômago arder numa ressaca desenfreada de qualquer coisa que me davas e que o meu ser necessita faz tempo. Ainda tenho descargas de adrenalina que fazem o meu corpo agitar-se contra minha vontade, que me provocam impulsos contra os quais me debato para não voltar a cair no mesmo. Ver-te, saber-te... é como cair num campo de urtigas... sinto o coração a palpitar violentamente na garganta, por não conseguir sair.
Deixei de lutar contra esta necessidade. De querer-te e de querer que desapareças para sempre. Correr atrás de ti é vão, fugir de ti também não resulta. Vou apenas ficar aqui como se nada fosse(s). Não vou tentar bloquear as recordações nem os sonhos que acontecem quando não estou a dormir. Não vou evitar-te, não vou procurar-te. Desta vez vou apenas ficar aqui à espera, mas não de ti.... apenas à espera! À espera que o tempo corra, até chegar o dia em que eu acorde e não sejas a primeira coisa que me passa no pensamento. Vou apenas.... esperar que passes!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Soundtrack of something




what if I say that I mean every word he says?

terça-feira, 16 de junho de 2009

Enough is enough (?)

'I think the hardest part of kicking a habit is wanting to kick it. I mean, we get addicted for a reason, right? Often, too often, things that start out as just a normal part of your life at some point cross the line to obsessive, compulsive, out of control. It's the high we're chasing, the high that makes everything else fade away
(...)
The thing about addiction is it never ends well, because eventually, whatever it is that was getting us high stops feeling good and starts to hurt. Still, they say you don’t kick the habit until you hit rock bottom, but how do you know when you’re there? Because no matter how badly a thing is hurting us, sometimes letting it go hurts even worse.'



Grey's Anatomy [S04E02]

sábado, 13 de junho de 2009

Again...

Apareces. Fazes todo o meu ser estremecer por dentro e por fora, num grau superior a tudo o que é conhecido. Qual escala de Mercalli ou Richter..... Foco em ti, epicentro em mim. Depois do primeiro abalo desapareces. Fico eu e as minhas réplicas. Desarrumas tudo o que estava organizado, fazes-me duvidar de tudo o que achava que sabia, questionar tudo o que foi dito ou feito.
Por fim, fico eu e o caos. Escapas-te por entre a multidão, estrategicamente... e sou obrigada a lidar com tudo o que danificaste à tua passagem.

Simplesmente... pára! Pára de me alimentar ilusões...


not so perfect timings

'And every time i think i'm through with you
You always seem to come around
And every time i've tried to work with you
All you've done is you've brought me down'