sexta-feira, 27 de março de 2009

It's not so important happy ever after.

"Sex is good, relationships are bad. Relationships cause people to be cold... and lying and deceitful"
(Dr. Cooper Freedman, Private Pratice)


Se há um ano atrás eu soubesse o que (penso que) sei hoje, talvez tivesse sido menos infeliz, talvez as coisas tivessem acontecido de outra forma, talvez tudo fosse diferente... talvez.... talvez não existissem tantos 'talvez', tantos 'e se', mas acima de tudo, talvez não existisse toda a desconfiança que se apoderou do meu dia-a-dia, todo este crescente desacreditar nas relações e nos sentimentos, na fidelidade e no respeito mútuo.
O amor cada vez mais me parece um mito, as relações estão cada vez mais banalizadas e 'namorado/a' hoje em dia, é aquela pessoa que temos fixa.. 'ao fim de semana', no meio de tantas outras por quem cada um se pode andar por aí a roçar sem qualquer peso na consciência, com um cada vez mais ausente respeito por esse 'estatuto'. É apenas um rótulo. Alguém para mostrar à família, alguém para passear em público de mão dada. Mas que na realidade, e possivelmente na maior das ignorâncias, não passa de apenas mais um/a com quem se partilha os lençóis....

Não foi para isto que me prepararam durante estes anos... até há uns tempos, não sabia o verdadeiro peso de 'a vida não é um conto de fadas, com príncipes, castelos e felizes para sempre'. Doce inocência, porque fugiste??

Aprende-se a viver de acordo com as mudanças de que nos apercebemos (que já lá estão, andamos é muito tempo de olhos fechados), e tira-se o melhor que conseguirmos para nós. E com o tempo vamos enrijecendo (e secando)... e apercebemo-nos que se não tivermos cuidado, acabamos como eles. Mas o que interessa é conseguir não se ser infeliz, e eu estou a aprende-lo.

E daí? Daqui a um ano já vou saber muito mais do que (penso que) sei agora, e já nada disto fará sentido outra vez.

.. Mas neste preciso momento, pudesse eu voltar um ano atrás... saberia conter os pés que quiseram correr mais do que aquilo que as pernas conseguiam, e talvez, numa corrida mais ritmada, eu tivesse chegado à meta.


P.S.: Vou voltar a Química, senão amanhã levo um 'estudasses!'

5 comentários:

Maike disse...

Há mais por aí do que 'meaningless sex', mas não é facil de encontrar ou atingir!

Para sermos felizes temos de ter um objectivo pelo qual fazer um esforço cada dia...isso faz-nos ter vontade de andar por cá mais um bocado!

Somos aquilo que escolhermos! ;)

****beijoca

hugo polido disse...

no que ao amor diz respeito, é raro encontrar alguem q n leve chapadas a toda a hora... q bata todos os dias na parede q n sinta vontade de rebentar com uns quantos edificios ao biqueiro ao murro... da forma q de pra aliviar a dor que carregamos no peito tds os dias... mas o q é certo é q estar preso ao passado n nos leva a lado algum.. pensar no que poderiamos ter feito diferente é diferente de pensarmos o q podemos mudar daqui em diante.. lamentar o passado é diferente de querer melhorar futuro.. é certo q o passado só nos faz recear o futuro, mas já li neste blog algo sobre o problema de enfrentar os nossos medos e fantasmas, pelo q precisamos de uma boa atitude pra ter forças pra continuar... por dentro vai continuar a doer, por fora vamos continuar a sorrir pros amigos cm se nada fosse, mas de certo vai chegar o dia em ambos vamos dizer: "FODASSE!! BASTA! eu tou bem e agr sim VOU VIVER!!!" e minha querida mana farei td pra estar proximo de ti pra q nunca tropeces nessa longa e dura caminhada... beijocas

armando disse...

na mesma fase! perdidissimo entre essa "doce inocencia" e o peso do mundo a cair nas costas. pelo menos ja nao tenho borbulhas na cara. :p mas concordo bue contigo e com a brincadeira tb me vou apercebendo da tal falta de respeito!

Ela que veio da espuma do mar... disse...

Tenho vindo a pensar nisso... E, infelizmente, tenho para mim que o amor é uma coisa difícil. Acho que agora as pessoas optam por se amar a elas próprias. Há cada vez menos gente a disponibilizar e querer dar atenção a uma outra pessoa. E, infelizmente, apercebo-me de que, de certa maneira, estou um bocadinho contaminada com esse "veneno".

Gostei particularmente do último parágrafo. Acho que me aconteceu algo parecido :)
Beijinho*

Sara disse...

Adorei o texto amora. No entanto tenho te a dizer que as vezes nos sabiamos antes o que sabiamos agora e gostamos de percorrer o caminho, mesmo sabendo que que o final vai doer imenso. E assim deixamos arrastar, para a dor ser adiada... para nao termos que tomar decisões, para não magoar o outro. No final mesmo sabendo ontem o que sabemos hoje, gostamos de adiar e ser moderamente felizes, para nao ter que passar por aqueles momentos que já sabiamos antes que iamos passar...

Adoroti Amora preta.