segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Do latim 'amicitate'.


Se me pedissem uma definição de amizade, eu não daria uma definição, mas sim um exemplo. E que melhor exemplo poderia eu dar sem ser contigo?
Já dizia a música 'é tão bom uma amizade assim ai faz tão bem saber com quem contar'!


Podia escrever um testamento, sobre tudo o que já passou, sobre como entraste na minha vida, a quantidade de vezes que dela saíste e como voltaste sempre a entrar. Entre amuos e insultos, brigas sem jeito, palavras que magoaram.. de todas as vezes que voltaste conseguimos a proeza de olhar para tudo como uma forma estranha de construir bases mais sólidas para uma amizade que ameaçou ruir tantas e tantas vezes.
Porque apesar da distância, consegues estar sempre lá de uma maneira ou de outra, sempre com um sorriso, uma palavra de conforto e as mãos estendidas para me obrigar a seguir, sem nunca parar muito tempo.
Ensinaste-me a dar valor ao que realmente vale a pena, em vez de andar a chorar pelos cantos as mágoas das minhas (des)ilusões. E é bom saber que sou 'um ingrediente essencial no teu livro'.
Embora isto possa não ficar por aqui, mesmo que voltes a sair do comboio em andamento, continuará a haver sempre uma carruagem com a porta aberta. E tenho a certeza que vais entrar algures, numa estação ou apeadeiro mais à frente.. e nós sabemos o que isto vale, certo?! :)

Sem comentários: