domingo, 30 de novembro de 2008

Pregos e Tábuas.




"Era uma vez um rapazinho que tinha um temperamento muito explosivo.
Um dia recebeu um saco cheio de pregos e uma tábua de madeira. O pai disse-lhe que martelasse um prego na tábua cada vez que perdesse a paciência com alguém.
No primeiro dia o rapaz pregou 37 pregos na tábua. Já nos dias seguintes, enquanto ele ia aprendendo a controlar a sua raiva, o número de pregos martelados foi diminuindo gradualmente.
Ele descobriu que dava menos trabalho controlar a sua raiva do que ter de ir todos os dias pregar vários pregos na tábua. Finalmente chegou o dia em que ele não perdeu a paciência em hora nenhuma.
Ele falou com o pai sobre o seu sucesso e sobre como se sentia melhor em não explodir com os outros e o pai sugeriu que ele retirasse todos os pregos da tábua e a trouxesse até ele.
O rapaz trouxe então a tábua, já sem os pregos, e entregou-a ao pai. Ele disse "estás de parabéns, meu filho, mas olha para os buracos que os pregos deixaram na tábua!
Ela nunca mais será como antes!". Quando falas enquanto estás com raiva, as tuas palavras deixam marcas como estas.
Podes enfiar uma faca em alguém e depois retirá-la mas, não importa quantas vezes peças desculpas, a cicatriz ainda continuará lá.
Uma agressão verbal é tão violenta como uma agressão física.
Amigos são como jóias raras.
Eles fazem-te sorrir e encorajam-te a alcançar, compartilham os teus momentos de alegria e, têm sempre os seus corações abertos para ti.
"

... Nada a acrescentar!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Ainda...

Por mais que esconda o Tu que há em mim, volta e meia ele decide dar ar de sua graça. Por mais que tente ocupar o espaço teu que há em mim, ele tende sempre a ficar vazio à tua espera.. Eu disse vazio?! Não.. se estivesse vazio era porque tinhas ido embora. Mas por mais que digas que vais, por mais que eu te abra a porta e te obrigue a sair, acabas sempre por ficar, de uma maneira ou de outra!
Mesmo que não atravesses o meu campo visual há bastante tempo, ou que não ouça o teu nome nem nada que diga respeito à tua existência, para além do eco dos meus pensamentos.. continuo a saber-te de cor! Ainda sinto o teu perfume como se tivesse estado contigo ontem, ainda sei a textura dos teus cabelos, a sensação que me provoca um beijo teu...
Fecho os olhos e ainda é o teu sorriso e esses olhos cor de avelã que vejo, é a tua voz que preenche o meu silêncio. E depois de tudo, ainda é possível sorrir por pensar em ti.

Da tua boca ouvi as palavras que mais desejei e pensei nunca vir a ouvir, e logo a seguir puxaste-me o tapete debaixo dos pés.. Encheste-me o coração e fizeste-lhe um furo. E por isso jamais admitirei que tenho saudades tuas, que sinto a tua falta, e que a minha vontade era correr para os teus braços! E a quem afirmar que eu o disse, eu negarei até ao fim!
Quero que esta seja a ultima vez que te digo Adeus.