quinta-feira, 24 de abril de 2008

Abraça-me agora!

Abraça-me por favor. Abre os teus braços e envolve-me em ti, aperta com força e não me largues..

Um súbito ataque de medo apoderou-se de mim, vindo não sei de onde... tenho medo!Estou assustada... quero-te para mim agora. Está cada vez mais difícil deixar que isto se prolongue, quando só me apetece dizer-te o quanto és importante.. tu e as tuas parvoíces.
Mas como vai ser? Quero continuar a sentir o teu perfume na minha pele, quero continuar a ver paisagens da cidade iluminada à noite, quando fora do carro está a chover... e mesmo quando não está a chover. Quero continuar a aninhar-me no teu pescoço (como tu dizes, acabo sempre por me aninhar lá), quero ver aquela tua cara quando me dão aqueles ataques em que te encho de beijos pequenos, quero o calor do teu abraço..

A cidade está deserta, alguém escreveu o teu nome em toda a parte... O "teu" Manel Cruz sabia bem o que cantava.. É incrível como te vejo em toda a parte. é ir na rua e procurar-te em toda a gente que passa por mim, olhar para o lado ao ouvir uma voz que se assemelhe à tua. É sentir um soco no estômago quando te encontro, por acaso... e cumprimentas-me com um beijo na cara.. só um, não dois como se faz com as outras pessoas, e o coração acelera, as pernas tremem, as palavras saiem em soluços.. fico parva, deixas-me parva!

....por favor, nao largues este abraço... não me deixes ir... não vás!

Sem comentários: