sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

"Meu Amigo"

(...) Meu amigo, quando para ti é dia, para mim é noite; mas nem por isso deixo de falar-te da luz do dia que banha os cumes nem da sombra cor púrpura que avança pelos vales; porque tu não podes ouvir as canções da minha obscuridade, nem podes ver as minhas asas adejando contra as estrelas; e não me interessa que ouças ou vejas o que há em mim.
Prefiro estar sempre sozinho na noite.
Quando sobes ao teu céu, desço ao meu inferno.
Então chamas-me através do abismo intransponível que há entre ti e mim (...), e eu respondo, porque não quero que vejas o meu inferno. Ficarias cego com as chamas e asfixiado pelo fumo. E eu amo demasiado o meu inferno para te deixar visitá-lo.
Prefiro estar sozinho no meu inferno.
Tu amas a Verdade, a Beleza e a Justiça e eu, para te comprazer , digo que estou de acordo contigo e que está certo que ames essas coisas. Mas, no fundo do meu coração, rio-me do teu amor por elas.
Contudo, escondo-te o meu riso, porque prefiro rir-me sozinho.
Meu amigo, és bom, prudente e sensato; mais ainda, és perfeito.
Por mim, falo contigo com sensatez e cautela, mas... estou louco.
Oculto é a minha loucura com uma máscara.
Prefiro estar louco sozinho.
Meu amigo, não és meu amigo.
Mas como fazer-te compreender isto?
O meu caminho não é o teu caminho, e, contudo, caminhamos juntos de mãos dadas.

(K. Gibran)

1 comentário:

igor marques disse...

não sei o que é que esse senhor (é um gajo, certo?) queria dizer, mas com um texto tão subjectivo, permite-me a minha interpretação:

todos nós temos pontos de vista que nunca coincidem com os de quem nos rodeia! até podemos nem dizer nada, podemos só estar a ouvir, mas rimo-nos tanto por dentro quando sabemos que temos uma opinião tão diferente! não nos rimos dos outros, rimos sim da diferença!
e às vezes, preferimos nem emitir a nossa opinião, só para não sermos excluídos ou gozados, ou só mesmo porque não encaixa no socialmente aceite.

mais que tudo isso, é aquilo que ele diz e soa tão bem:
...porque não quero que vejas o meu inferno. Ficarias cego com as chamas e asfixiado pelo fumo. E eu amo demasiado o meu inferno para te deixar visitá-lo.
Prefiro estar sozinho no meu inferno.

o nosso inferno, é de facto o nosso último refúgio, onde podemos gritar, estar sós, chorar por dentro, rir de satisfação!!


posso estar a passar ao lado do cerne do excerto, mas é o que eu penso sobre o assunto!

bolas, lembro-me uma vez, uma miúda (18 anos) a chorar, e só me apetecia dar-lhe palmadas no rabo! bolas :\ isso é parte do meu inferno!