segunda-feira, 2 de maio de 2011

Pensar

v. intr.
1. Formar ideias.
2. Reflectir.
3. Raciocinar.
4. Ser de parecer.
5. Tencionar.
6. Ter no pensamento.
v. tr.
7. Imaginar, julgar.
8. Planear.
s. m.
9. Pensamento; opinião; juízo

Alberto Caeiro, diria que "pensar incomoda como andar à chuva"..

Pensar é tão mais que definições literais.. não é fácil porque envolve consciência. Deve ser por isso que muitas vezes nos recusamos a usar esta faculdade.
Pensar muitas vezes leva-nos a encarar realidades incómodas, das quais passamos o tempo a fugir.
Pensar pode tornar-se pesado e incómodo, porque de vez em quando é uma camisa de forças que nos retira a sensação de liberdade.
.

domingo, 13 de março de 2011

"Ao coração que sofre, separado
Do teu, no exílio em que a chorar me vejo,
Não basta o afeto simples e sagrado
Com que das desventuras me protejo.

Não me basta saber que sou amado,
Nem só desejo o teu amor: desejo
Ter nos braços teu corpo delicado,
Ter na boca a doçura de teu beijo.

E as justas ambições que me consomem
Não me envergonham: pois maior baixeza
Não há que a terra pelo céu trocar;

E mais eleva o coração de um homem
Ser de homem sempre e, na maior pureza,
Ficar na terra e humanamente amar."

(Para ler a ouvir isto: The River Flows in You- Yiruma: http://www.youtube.com/watch?v=rhN7SG-H-3k )

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

reality strikes again




Love must love so much to play hide and seek with me..


quarta-feira, 7 de julho de 2010

Um rascunho do meu baú

Por onde andas? Preciso tanto ver-te.. Nunca quis tanto poder abraçar-te. Tenho tanta coisa para partilhar contigo, para viver contigo. Estou com saudades do Futuro que ainda não veio... Quando vier vais olhar-me com um sorriso, vais abraçar-me e fazer o tempo parar, e vai ser como se nos conhecêssemos desde sempre. Desde antes de cada um de nós se conhecer a si próprio. E ainda não te vi, não sei quem és nem como és, apesar de te procurar em todos os lugares, de te tentar encontrar em todos os cantos para onde olho, ainda que não saiba quem procuro. Não vamos perder mais tempo.. dá-me a tua mão, vem comigo, vamos começar viver.

25/03/2008



terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

quoted

Conflict - it's everywhere you look, it touches everything you do, every relationship we have. Isn't it funny how at their core, all fights are the same. Two people yelling, or accusing, or running away. Two people doing anything to avoid telling each other what they really feel. Just talk when you want to run, reveal when you want to attack.
It's so simple, so obvious. And at the same time, so incredibly hard

by Erica Strange

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

M U S E















Esta foi a melhor foto que consegui tirar! Só para dar um cheirinho daquele que foi um GRANDE e ESPETACULAR concerto!! :'D
Indescritível!

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Acceptance (?)

"There are five stages of grief. They look different on all of us, but there are always five:
Denial. Anger. Bargaining. Depression. Acceptance."

Sem querer dei por mim a tentar encontrar-te noutras pessoas. Tentei procurar quem preenchesse o vazio da tua ausência, ou que me abstraísse dele. Que grande parvoíce! É o querer à força arrancar-te do meu peito.... mas provavelmente tenho mesmo de deixar o tempo encarregar-se disso. Forçar não leva a nada...
Vou tentar arrumar tudo o que te pertence numa gaveta, ignorar o que (ainda) me fazes sentir, e viver... deixar de procurar em cada rosto os teus olhos, o teu sorriso, a tua maneira de ser. Deixar de dormir agarrada à almofada e relembrar as noites em que a almofada eras tu. Fingir que esqueci o teu cheiro, e que ele não faz falta na minha pele.



"Mas a saudade mais dolorida
é a saudade de quem se ama.
Saudade da pele, do cheiro, dos beijos.
Saudade da presença, e até da ausência consentida"

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Tudo passa, é só uma questão de tempo!

Tantas e tantas vezes me vi obrigada a dizer Adeus. Dizem que o hábito faz o monge, mas não me sinto suficientemente habituada para conseguir afirmar que agora já não custa. Parece que custa sempre... E por mais que seja a crónica de um Adeus anunciado à partida, toda e qualquer preparação psicológica se torna infrutífera, vã, estéril, quando chega A Hora.
Dói ter que afirmar com toda a determinação do mundo que é uma despedida consentida (e até impelida), quando na verdade a minha mão quer não larga a tua, quando os meus olhos ardem com a ansiedade de (não) te querer ver contornar aquela esquina, que será a confirmação de que não vais voltar... de que não te vou deixar voltar!
Dói ter que calar o grito que explode no meu peito, para que ninguém o ouça! .. E para que principalmente tu não o ouças. O grito que à primeira fresta, escaparia à velocidade da luz e te envolveria com a violência de um Adamastor, num turbilhão irracional de sentimentos que jamais se ousariam a obrigar-te a partir, ainda que isso fosse tudo o que merecesses.

Queria poder gritar a pulmões abertos que és apenas Nada, e acreditar eu própria nisso. Queria acreditar nisso, ainda mais do que quero que tu acredites. Mas não posso (e para ser sincera, nem quero) negar todos os momentos que nos proporcionamos, ainda que possam não ter passado de uma doce ilusão. Não posso negar a saudade que sei que virá, nem o vazio da tua ausência...
Refugio-me nas palavras escritas, quando não me permito a sussurra-las ao teu ouvido, quando não me permito a demonstrar-te o quanto elas significam.

Resta-me espremer todo o Bom que possa existir no Mal feito, e usá-lo da melhor forma. Apenas te posso oferecer o calor do meu abraço, sempre que dele precisares. E para mim... para mim fica aqui, também escrito mas nunca demonstrado, o beijo da despedida, para finalizar as palavras que nunca irás ouvir de mim.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

mesmo perto, nunca as férias me pareceram tão longe

Há muito que a minha Caixa de Pandora pessoal se abriu.... agora, até a Esperança que resistira a partir, mantendo-se no fundo da minha caixa, se começa a esvair lentamente.... para dar lugar à Desmotivação e à Frustração.




mais um semestre de merda, de tempo perdido,
de insanidade mental, de esforço vão....
preciso tanto de férias!

sábado, 27 de junho de 2009

something always brings me back to you

Qualquer sinal da tua existência, seja ele de que tipo for, ainda faz o meu estômago arder numa ressaca desenfreada de qualquer coisa que me davas e que o meu ser necessita faz tempo. Ainda tenho descargas de adrenalina que fazem o meu corpo agitar-se contra minha vontade, que me provocam impulsos contra os quais me debato para não voltar a cair no mesmo. Ver-te, saber-te... é como cair num campo de urtigas... sinto o coração a palpitar violentamente na garganta, por não conseguir sair.
Deixei de lutar contra esta necessidade. De querer-te e de querer que desapareças para sempre. Correr atrás de ti é vão, fugir de ti também não resulta. Vou apenas ficar aqui como se nada fosse(s). Não vou tentar bloquear as recordações nem os sonhos que acontecem quando não estou a dormir. Não vou evitar-te, não vou procurar-te. Desta vez vou apenas ficar aqui à espera, mas não de ti.... apenas à espera! À espera que o tempo corra, até chegar o dia em que eu acorde e não sejas a primeira coisa que me passa no pensamento. Vou apenas.... esperar que passes!